Viking – História



Os vikings ficaram conhecidos pelo desenvolvimento de apuradas técnicas de navegação.

Por Rainer Sousa

Os vikings são uma antiga civilização originária da região da Escandinávia, que hoje compreende o território de três países europeus: a Suécia, a Dinamarca e a Noruega. Igualmente conhecidos como nórdicos ou normandos, eles estabeleceram uma rica cultura que se desenvolveu graças à atividade agrícola, o artesanato e um notável comércio marítimo.

A vida voltada para os mares também estabeleceu a pirataria como outra importante atividade econômica. Em várias incursões realizadas pela Europa Continental, os vikings saquearam e conquistaram terras, principalmente na região da Bretanha, que hoje abriga do Reino Unido. Cronologicamente, a civilização viking alcançou seu auge entre os séculos VIII e XI.

O processo de invasão à Bretanha aconteceu nos fins do século VIII. No ano de 865, um poderoso exército de vikings dinamarqueses empreendeu uma guerra que resultou na conquista de grande parte das terras britânicas. Com isso, observamos a consolidação do Danelaw, um extenso território viking que englobava as regiões Centro-norte e Leste da Bretanha. Na mesma época, os vikings continuaram sua expansão em terras escocesas.

As habitações dos vikings eram bastante simples. Madeira, pedras e relva seca eram os principais elementos utilizados na construção das residências. Além disso, observamos que a distribuição espacial do lar era bem simples, tendo, muitas vezes, a presença de um único cômodo. Nas famílias um pouco mais abastadas, observamos a presença uma divisão mais complexa composta por salas, cozinha e quartos.

Em razão das baixas temperaturas, os vikings tinham a expressa necessidade de uma vestimenta que pudesse suportar as baixas temperaturas do norte europeu. Geralmente, combinavam peças de tecido com couro e peles grossas que pudessem manter o seu corpo aquecido. Além disso, podemos ainda destacar que toda a população apreciava a utilização de acessórios em metal e pedra.

A organização familiar viking tinha claros traços patriarcais, sendo o homem o grande responsável pela defesa da família e a realização das principais atividades econômicas. Dedicada aos domínios domésticos, a mulher era responsável pela preparação dos alimentos e também auxiliava em pequenas tarefas cotidianas. A educação das crianças era delegada aos pais, sendo eles que repassavam as tradições e ofícios vikings.

O rei era a principal autoridade política entre os vikings. Logo em seguida, os condes e chefes tribais também desfrutavam de grande prestígio e poder de mando entre a população. O poder de decisão entre os locais tinha certa presença entre os vikings. Reunidos ao ar livre, discutiam a elaboração de suas leis próprias e as punições a serem deferidas contra os criminosos.

Na esfera religiosa, os vikings eram portadores de uma rica mitologia povoada por vários deuses sistematicamente adorados em eventos coletivos. Várias histórias envolvem a luta entre os deuses nórdicos ou o conflito entre as divindades e os gigantes. Odin era adorado como “o Deus dos deuses”. Thor era a divindade de maior popularidade e tinha poder sobre os céus e protegia povo viking.

Com o processo de cristianização da Europa, ao longo da Idade Média, os vikings foram paulatinamente convertidos a essa nova religião. A dissolução da cultura viking acontece entre os séculos XI e XII. Os vários conflitos contra os ingleses e os nobres da Normandia estabeleceram a desintegração desta civilização, que ainda se encontra manifesta em algumas manifestações da cultura europeia.

Mais…http://www.historiadomundo.com.br/viking/

Advertisements

Desejos incontidos


Gosto quando te sentes em mim. Gosto quando me olhas com os sentidos. Tocas com a ponta dos teus pensamentos. Quando fechas os olhos. Sempre que te entregas. Em cada submissão minha. Tua.

Tu és o meu pecado. E a cada dia que passa apeteces-me sempre mais.
Quando te digo o quanto te desejo, quero-te. Quando te chamo, abraço-te. Quando soletro o teu nome, beijo-te. Quando os meus lábios se entreabrem, ouço-te.
Porque sentir em mim esse beijo. Quente. Longo. Profundo. Muito teu. Com toda a entrega. Todo tu nele.
Para me teres depois. Toda eu. Numa comunhão de desejos. Aromas.
Sabores [de ti].
Sabes-me bem. Tanto que me vicias em ti. No teu corpo. No vício do que gostas em nós.
Se te desejo? Muito. Se estou viciada em ti? Sem cura. Se te quero? Sempre.

Burning Desire



It is wanting you now. And it will be within walking distance of my fingers.
When your eyes Tie me down and tell me how much I want.
Whenever my body slips into your mouth and attaches to the touch of your fingers.
Every time I give the greedy desire to have you under my skin.
Designed on the lips that you cover, devour and make you mine. Again and again.
From your moan when you feel inside. Of all the ways I do not blame them. First I want.
We exchanged orgasms. In the sharing of wills. In the lust of each one of us fantasy. And it goes.
It desire, just desire.

Tédio


Tenho as recordações d’um velho milenário!

Um grande contador, um prodigioso armário,
Cheiinho, a abarrotar, de cartas memoriais,
Bilhetinhos de amor, recibos, madrigais,
Mais segredos não tem do que eu na mente abrigo.
Meu cer’bro faz lembrar descomunal jazigo;
Nem a vala comum encerra tanto morto!

— Eu sou um cemitério estranho, sem conforto,
Onde vermes aos mil — remorsos doloridos,
Atacam de pref’rência os meus mortos queridos.
Eu sou um toucador, com rosas desbotadas,
Onde jazem no chão as modas despresadas,
E onde, sós, tristemente, os quadros de Boucher
Fuem o doce olor d’um frasco de Gellé.

Nada pode igualar os dias tormentosos
Em que, sob a pressão de invernos rigorosos,
O Tédio, fruto inf’liz da incuriosidade,
Alcança as proporções da Imortalidade.

— Desde hoje, não és mais, ó matéria vivente,
Do que granito envolto em terror inconsciente.
A emergir d’um Saarah movediço, brumoso!
Velha esfinge que dorme um sono misterioso,
Esquecida, ignorada, e cuja face fria
Só brilha quando o Sol dá a boa-noite ao dia!

Charles Baudelaire, in “As Flores do Mal”

Feng Shui


What Is Feng Shui?  

This is probably because the flowers are finally coming out, which makes it more cheerful to be outside. 

 

How Do I Know If My Garden Has Good Feng Shui?  

For you garden-y types, this time of year is like Christmas and the Super Bowl combined. Feng shui people believe that your investment in your garden is actually also good for your home. 

 

Feng Shui Your Garden  

Certainly, gardening great for your peace of mind. Some of the calmest people I know are gardeners. This is probably because they get to take their aggressions out on the weeds. 

 

5 Feng Shui Garden Design Tips  

When I worked as a landscaper, water features were one of our favorite things to plan into gardens. Maybe my boss was trying to make sure our clients continued to have enough wealth and abundance to pay us. 

 

Os 10 Mandamentos na Bahia


1 –  Viva para descansar.
Erro! O nome de arquivo não foi especificado.

2 – Ame a sua cama, ela é o seu templo.
Erro! O nome de arquivo não foi especificado.

3 – Se vir alguém descansando, ajude-o.
Erro! O nome de arquivo não foi especificado.

4 – Descanse de dia para poder dormir à noite.
Erro! O nome de arquivo não foi especificado.

5 – O trabalho é sagrado, não toque nele.
Erro! O nome de arquivo não foi especificado.

6 – Nunca faça amanhã, o que você pode fazer  depois de amanhã.
Erro! O nome de arquivo não foi especificado.

7 – Trabalhe o menos possível; o que tiver para  ser feito, deixe que outra pessoa faça.
Erro! O nome de arquivo não foi especificado.

8 – Calma, nunca ninguém morreu por descansar,  mas você pode se machucar trabalhando…
Erro! O nome de arquivo não foi especificado.

9 – Quando sentir desejo de trabalhar, sente-se e  espere o desejo passar.
Erro! O nome de arquivo não foi especificado.

10 – Não se esqueça: Trabalho é saúde. Deixe o  seu para os seus amigos doentes.
Erro! O nome de arquivo não foi especificado.

E, finalmente, lembre-se do grande  ditado:

‘Quem trabalha muito, erra muito; quem  trabalha pouco, erra pouco;
quem não trabalha não erra; e quem não erra é  promovido..’

Autor  baiano… Obviamente…